terça-feira, 25 de maio de 2010

Eu fico com a verdade...


Dizer a verdade é difícil pra caramba.
A gente cresce ouvindo “os adultos” nos ensinarem que não se pode falar tudo o que pensa.
Mas ouvimos também durante toda a nossa vida, que mentir é feio.
Bom, temos a opção de ficar calados, pra não magoar, pra não perdemos o amigo, pra não estragarmos a “festa”... pra continuarmos no jogo do faz de conta.
Mas dizem que quem cala consente.
Porra!
Que grande merda essa tal de verdade!
Será que é por isso que vivemos tão desconfiados, tão descrentes, tão carentes... afinal nunca vamos saber se o que ouvimos é verdade... e nunca vamos saber se quem se cala, é porque concorda, ou é porque tem medo da verdade... não quer se envolver, não quer confusão... prefere viver “em paz”.

Gente vivemos em um país democrático!
A época da ditadura acabou, não existe mais censura!
Diga o pensa, fale o que te incomoda, reivindique seus direitos.
Acorde pra vida!
Mas vamos com calma. Dizer a verdade, não significa sair por aí ofendendo, sendo grosseiro com quem não pensa como você, ou quem invadiu seu espaço, sua privacidade, ou quem de alguma forma te incomodou ou te incomoda.
Temos uma quantidade enorme de palavras, que nos permitem ser verdadeiros, sem sermos hipócritas, sem soar falso.
Você pode falar o que quiser, pode dar sua opinião, pode expor seus pensamentos sem ser deselegante.
Mas mesmo assim, escolhendo a dedo as palavras ainda vai ter gente que vai se ofender, vai ficar magoado, vai achar que você deveria ter ficado calado, vai achar que você “se acha”, vai dizer que você fala demais...
Aí meu amigo, é você quem escolhe.
Eu fico com a verdade, mesmo que o preço seja perder alguns “amigos”.

Um abraço!

Carla Pianchão

Eu fico com o escritor Thiago de Mello

“Fica decretado que agora vale a verdade.
agora vale a vida,
e de mãos dadas,
marcharemos todos pela vida verdadeira.

Fica decretado que os homens
estão livres do jugo da mentira.
Nunca mais será preciso usar
a couraça do silêncio
nem a armadura de palavras.
O homem se sentará à mesa
com seu olhar limpo
porque a verdade passará a ser servida
antes da sobremesa.”
(Trechos do livro Estatutos do Homem de Thiago de Mello)

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Domingo é dia das mães!


No próximo domingo é dia das mães, aí fiquei pensando em escrever alguma coisa.
Queria escrever algo mais verdadeiro, mais real.
Digo isso porque as empresas de propaganda fazem com que as mães “de verdade”, fiquem todas deprimidas, arrasadas e destruídas no seu dia.
Mãe de propaganda continua magrinha mesmo depois de ter filhos, conseguem amamentar sorrindo, nunca se sentem cansadas, nem muito menos estressadas, os cabelos são maravilhosos, os olhos são sempre azuis...
E os filhos?
Isso sem falar nas mães das propagandas dos caldinhos mágicos.
Servem a mesa sorrindo, enquanto as crianças, pra lá de comportadinhas, aguardam a hora de comer. O pai, com cara de paisagem, não mede elogios, quando a mãe aparece carregando a travessa.
Bom, não vou me estender muito porque afinal somos todas bem crescidinhas e sabemos distinguir a realidade da ficção.
Vamos voltar ao dia das mães real.
Poderia falar de mim, sou mãe de um adolescente e de uma quase adolescente. Só por isso, já merecia ter um dia só pra mim.
Ahhh... neste caso seria mais legal se meus filhos falassem né?
Eles podiam dizer que me amam muito, que vão levar pro resto da vida tudo o que eu ensinei a eles, que entendem o meu mau humor de vez em quando, que adoram a minha comida, o meu bolo de fubá, que são super gratos por eu acordar todos os dias cedinho, para chamá-los para a escola, que eu sou a melhor mãe do mundo, que eles me devem a vida...
Ta bom então, concordo que falar de mim ficaria meio estranho.
Então ta, já sei, vou falar da minha mãe, uma mulher...
Não, não vou conseguir, ela não esta mais aqui e falar dela ainda é muito difícil. Sei que vou chorar.
Mas eu podia tentar, afinal já fazem 10 anos.
Parece muito né? Mas não é.
Ainda é difícil viver sem ela... e bota difícil nisso!
Então vou parar por aqui, antes que eu não consiga mais controlar minhas lágrimas, e eu também não quero que ninguém chore.
Mãe tem que ser forte, não é mesmo?
Então vou ser bem prática.
Parabéns a todas as mães!
Se comportem no almoço de domingo. Se for levar aquela lasanha que você leva todo ano, não esqueça que sua sogra tem pressão alta, manere no sal, se estiver de TPM, lembre-se de que as crianças não são advinhas, elas vão continuar correndo pela casa, derrubando enfeites, e refrigerante no tapete da sala. A menos que você faça uma plaquinha, e escreva:
EU VIM, MAS ESTOU DE TPM.
Se o seu marido não te der de presente o que você esperava, entenda que você não é mãe dele, e contente-se com os presentinhos da escola.
Calma, eu não vou estragar a surpresa de ninguém. Mas um passarinho me contou, que talvez venha por aí, um potinho reciclado, porta treco, ou um pano de prato pintado. Que tal? Não faça essa cara, afinal você não é a única mãe, e se você não é professora, não tem idéia do que são 32 crianças, fechadas em uma sala, pintando um pano de prato.
Então dê um belo sorriso, agradeça a Deus por ter a oportunidade de ser mãe, aceite de coração, seu potinho porta treco, seu paninho de prato e curta seu dia.
Agora, se seus filhos já são crescidos, não fique animadinha achando que vai pintar uma blusa de frio daquelas maravilhosas, ou quem sabe uma calça jeans. Sinto em te informar que no máximo umas flores, afinal a mesada tem que dar pro mês inteiro.
Ahhhh eles já são casados? Então minha amiga é hora de dividir o seu dia com a sogra.
Pois é, mas você é uma mulher antenada, descolada, moderninha, vai entender isso numa boa não vai?

Parabéns a todas as mães!

Carla Pianchão