quinta-feira, 21 de maio de 2009

Flores no meu pequeno jardim


Quando tudo parece meio confuso, nascem flores no meu jardim.
O sol parece mais claro, meu coração bate mais forte, quase posso sentir o sangue que corre em minhas veias.
Tenho sede, tenho fome, tudo salta, tudo brota, tudo vem quase que por encanto...
Não mais parada no canto
Não ando mais devagar
Não mais envolvida no pranto
Corro e não quero parar
Não me importa o que vejo
Sei o que desejo

Um abraço
Carla Pianchão

quinta-feira, 14 de maio de 2009

e o tempo vai passando...


As mudanças, cada dia que passa, ficam mais claras, com apenas nove anos, já começam a aparecer os primeiros sintomas, de uma pré-adolescência, talvez, um pouco precoce.
Dividida, entre as bonecas, e o celular... já não coloca a roupa que eu separo, e disfarçadamente, substitui a blusa de laçinho, pela bata de bolinha.
Percebo que por enquanto ela ainda não consegue identificar o que está acontecendo, mas sabe, que algo acontece... se encanta com a casinha de bonecas, e logo em seguida, com o óculos da mamãe, faz pose, feito gente grande, na hora da foto.
É minha Maria... começando a caminhar sozinha.
Carla Pianchão

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Feliz Dia das Mães...


Falar do dia das mães, pra mim, é complicado, é inevitável, não pensar na minha mãe que não está mais aqui. Cada ano que passa, eu acho, apenas acho, que já estou mais conformada, mesmo porque não tem outro jeito, mas quando começo a me lembrar de como ela faz falta...
Ficar por aqui sem ela é como estar em cima de um palco com a platéia vazia. Pronto, já nem consigo mais ver o que estou digitando, engulo o choro, como ela costumava dizer, e peço a Deus que me dê forças para continuar seguindo sem ela.
Bom, mas eu posso falar de mim, afinal eu também sou mãe. Não, deixo essa parte para meus filhos, e espero sinceramente que eles digam alguma coisa legal, afinal não tenho nenhuma pretensão de ser a melhor mãe do mundo, mas com certeza não sou a pior.
Às vezes pergunto para meus filhos: Mamãe é legal???? A Maria rapidamente, responde meio sem jeito, é, mas aquele dia você ficou brava comigo, e o João um pouco maior, e cheio de malandragem, aproveita a oportunidade para tirar vantagem, mãe você é legal pra caranba, não se esqueça da blusa que eu preciso para a festa de sábado, e sorrindo ele me abraça, cheio de ginga, como quem brinca com a vida. Meus filhos são lindos, são minha vida. Quem me conhece, sabe que eu fiz um tratamento para engravidar, durante cinco anos, e ter tido, o João e a Maria, e a certeza, de que Deus me ouviu e me abençoou.
Ta bom então, vou falar de todas as mães, sem puxar a sardinha para mim, mas eu me recuso a fazer como nas propagandas. Mães lindas, correndo no parque florido, com seus filhos mais lindos ainda, bem vestidinhos, com a roupa daquela loja famosa, porque afinal é uma propaganda, ou então aquela outra, que a mulher, linda também, faz o ensopadinho, com aqueles cubinhos mágicos, enquanto os filhos, comportadinhos, de mãozinhas lavadas, esperam sentados a mesa, em companhia do pai, que na propaganda, chegou cedo, não está estressado, e sorri para as crianças, aguardam pela mãe, que vem chegando sorridente, com a travessa na mão...
Prefiro falar de coisas mais reais, (outro dia, alguém me disse, que meus textos, são duros e às vezes tristes, e eu disse, meus textos são reais e verdadeiros).
Ser mãe, definitivamente, não é uma tarefa fácil. Claro que é maravilhoso, que tem milhões de compensações, muitos momentos emocionantes e gratificantes, mas nós sabemos que nem sempre as coisas acontecem como nas propagandas. Ser mãe é acima de tudo, aprender a amar incondicionalmente, independente do que aconteça. Ser mãe é amar seu filho, mesmo quando ele faz aquela birra, em pleno shopping, quando ele te dá aquela resposta atravessada, na frente da vovó, quando ele quebra aquela sua estatueta caríssima, ou até mesmo quando ele arruma aquela namorada, com cara de poucos amigos. Ser mãe é estar preparada pra quando ele colocar a mochila nas costas, abrindo mão daquele quarto, que você fez com tanto sacrifício, pra morar de qualquer jeito, com os amigos, ou seguir por uma estrada, que nem eles, sabem aonde vai dar. Ser mãe é isso e mais um monte, fazer drama, cobrar noites mal dormidas, chorar quando eles vão embora...
Na teoria todas as mães sabem que os filhos não são nossos, mas na prática, muitas delas, fazem terapia, quando eles descobrem que podem caminhar sozinhos, que não precisam mais segurar em nossas mãos...
Aí vem os netos, as noras, os genros, as visitas de domingo...
Feliz Dias das mães!
Tenham todas lindos momentos com seus filhotes.
Um abraço
Carla Pianchão